Por que os uruguaios comem tanta carne?

51618801 - parrilla argentina

A cozinha uruguaia é formada por influências espanholas e italianas, principalmente, mas, quando se fala em culinária daquele país, a primeira coisa que nos vem à mente são a parrilla e os cortes bovinos assados.

Realmente, nossos vizinhos são loucos por carne — assim como os argentinos e nós brasileiros. E o culpado de tudo isso é um paraguaio, um certo Hernando Arias de Saavedra, mais conhecido por Hernadarias.

Militar, conquistador, colonizador e explorador, foi ele que teve a ideia de ocupar a então chamada Banda Oriental com vacas, no século 17. Até ali, o império espanhol pouco interesse tinha naquela área, desprovida de metais preciosos.

O paraguaio acreditou que podia transformar a região num imenso pasto. Em 1611, levou as primeiras reses. Em 1617, chegou outro rebanho mais significativo, com 100 vacas e alguns touros. Em 1634, a população bovina cresceu mais ainda, com a chegada de 5 mil cabeças de gado.

E os índios charrúas, que habitavam a Banda Oriental desde antes da chegada dos espanhóis, passaram a conviver com vacas e bois. Os homens brancos só iam lá, a partir da Argentina, para fazer rodeios e matar reses para tirar o couro. A carne era descartada. Olha só que desperdício!

Aí, em torno dessa criação, surgiram os gaúchos, que cruzavam a região a cavalo e descobriram que uma “ternera” (rês com menos de um ano de vida) assada não era nada mau. Pronto, se estabeleceu a partir dali o hábito de comer carne. Não só no território que hoje é Uruguai, mas em todo o bioma pampa, que inclui pedaços da Argentina e do Brasil.

Fonte: CEI — Organización de Estados Iberoamericanos.  Foto: isto é uma parrilla (Luiz Ribeiro/123rf)

Anúncios